Rádio Trianon 740 AM

Trans que teve dente quebrado por homem em SP ganha tratamento e recupera sorriso

Priscyla Rodrigues viralizou nas redes sociais ao aparecer em vídeo apanhando de morador da Zona Sul. Dentistas solidários deram prótese provisória e tratamento dentário para vítima de agressão. Vítima reconheceu foto de agressor e polícia o investiga por suspeita de transfobia.


Priscyla Rodrigues foi agredida por um morador e teve o dente quebrado. Dentistas solidários ofereceram a reconstrução dele e um tratamento para ela — Foto: Reprodução/Redes sociais e Arquivo pessoal

Priscyla Rodrigues foi agredida por um morador e teve o dente quebrado. Dentistas solidários ofereceram a reconstrução dele e um tratamento para ela — Foto: Reprodução/Redes sociais e Arquivo pessoal

A mulher transexual que teve o dente quebrado por um homem, na última quinta-feira (9), em São Paulo, recuperou o sorriso e ganhou um tratamento.

Priscyla Rodrigues viralizou nas redes sociais ao aparecer em um vídeo apanhando do morador da Zona Sul da capital. No sábado (11), ela recebeu gratuitamente uma prótese provisória feita por um dentista que se solidarizou com a vítima.

Também recebeu sem qualquer custo tratamento dentário bancado pela Turma do Bem, que conta com dentistas voluntários, que se sensibilizaram com o drama da garota de programa. A ONG oferece ajuda a mulheres sis e trans vítimas de violência.

“No momento estou feliz pelo começo”, disse Priscyla, nesta segunda (13) ao g1. “Espero que dê tudo certo no meu tratamento. E o homem que fez isso comigo pague pelo que ele fez. Ele é transfóbico”.

Nesta terça-feira (14), ela foi a uma delegacia especializada, onde reconheceu o agressor por foto. Apesar de já ter o nome do suspeito, a Polícia Civil quer analisar mais vídeos que o mostrariam agredindo outras mulheres transexuais, todas garotas de programa, para ter a convicção de que se trata da mesma pessoa e, depois disso, poder confirmar a sua identidade.

Em outra filmagem, feita no início do mês no mesmo local, um morador aparece jogando água em uma trans. Os dois casos foram na Zona Sul da capital.

Quem tiver informações sobre o agressor, pode telefonar para o Disque-Denúncia pelo número 181. Não é preciso se identificar. A Secretaria da Segurança Pública (SSP) orienta outras vítimas do mesmo homem a procurarem a delegacia da região para denunciá-lo.

‘Destruiu meu sorriso’

Vídeos mostram homem agredindo trans com socos e água em SP

–:–/–:–

Vídeos mostram homem agredindo trans com socos e água em SP

Na semana passada, a jovem de 26 anos havia dito à reportagem que o agressor “destruiu o meu sorriso”. Priscyla ainda teve hematomas na face, pernas e braços e alegou que o homem fraturou seu nariz.

O motivo das agressões foi o fato de ela estar trabalhando como garota de programa na esquina na esquina da Alameda dos Quinimuras com a Avenida Irerê, na Saúde. Quem filmou a violência contra ela foi outra trans, que compartilhou o vídeo na internet. Nas imagens é possível ver o agressor dando socos no rosto de Priscyla, que pede para chamarem a polícia.

“A gente ficou chocado vendo as imagens da agressão contra Priscyla”, disse a diretora da ONG, Amanda Monteiro.

Água gelada no rosto

Outras trans que trabalham com prostituição nas ruas da região também acusam o mesmo morador do bairro de transfobia, exatamente no mesmo local onde agrediu Priscyla. Em mais alguns vídeos, esses gravados em 1º de junho, segundo testemunhas, o homem aparece ao lado de um cachorro jogando água gelada no rosto de duas trans e tentando agredir uma delas.

“Ele veio mandar eu sair do local onde eu tava e começou um discussão, ele jogou água em mim, jogou água gelada em mim, três vezes, e… fora agressão verbal”, disse Isabella Azevedo, neste domingo (12) ao g1. Ela é uma das mulheres trans que aparecem correndo do agressor que usa uma panela para jogar água nelas.

O motivo? De acordo com Isabella, o fato de estar esperando um carro por aplicativo na frente da casa dele. A jovem de 20 anos contou ainda que chegou a chamar uma viatura da Polícia Militar (PM), que foi ao local, mas a desmotivou a dar queixa.

“Eu chamei a polícia e os mesmos falaram que o vídeo que eu tinha não mostrava nenhuma agressão, então não adiantava eu ir na delegacia”, disse Isabella.

Questionada pelo g1, a Secretaria da Segurança Publica (SSP) informou que “sobre a denúncia apontada, a Corregedoria da Polícia Militar está à disposição para formalização da mesma, a fim de que os fatos sejam devidamente apurados.”

Trans Isabella Azevedo foi molhada com água gelada por um morador do bairro da Zona Sul de São Paulo — Foto: Reprodução/Redes sociais e Arquivo pessoal

Trans Isabella Azevedo foi molhada com água gelada por um morador do bairro da Zona Sul de São Paulo — Foto: Reprodução/Redes sociais e Arquivo pessoal

O ativista LGBTQIAP+ Agripino Magalhães e o advogado Caue Machado estão dando assessoria e apoio jurídico às vítimas.

“Esse é o retrato do nosso país, que a gente vive todos os dias”, disse Agripino.

“Independentemente do que ali ensejou a agressão, não justifica.”, disse Caue, que pedirá para a polícia investigar os crimes contra as trans como transfobia. Segundo ele, diferentemente da lesão corporal, “a transfobia é um crime inafiançável, imprescritível e dá prisão”.

Ainda de acordo com o advogado, prostituição não é crime no Brasil. Crime é alguém explorar a prostituição, aliciando garotas de programa, por exemplo, o que não é o caso dessas trans.

A TV Globo ouviu moradores da região na sexta-feira (10), que disseram que o vídeo postado pelas trans foram editados e que não gravaram toda a confusão. Falaram ainda que outras pessoas do bairro também jogam água nas garotas de programa para que não façam barulho. Eles alegam que há muitas reclamações de perturbação do sossego.

Homem joga panela com água em mulher — Foto: Reprodução/Redes sociais

Homem joga panela com água em mulher — Foto: Reprodução/Redes sociais

Fonte: G1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.